segunda-feira, 25 de julho de 2016

Lolita 100% nacional e off-brand

julho 25, 2016
Ois!

Depois do bafafá que foi o lançamento do Rocking Horse da Melissa, eu fiquei com a seguinte ideia na cabeça: será que é possível montar um look que se encaixe na moda Lolita, cheia de especificações do jeito que é, só com itens off-brand e nacionais?

E aí, claro, fui atrás de pesquisar e no final das contas consegui montar 3 looks que, acredito eu, não fariam feio em um meeting. É claro que algumas peças são mais difíceis de se encontrar do que outras - saias e vestidos tipicamente lolita não são coisas que acontecem sem querer. Mas com um pouco de criatividade dá pra descobrir peças que são bem versáteis.

Todas essas peças podem (ou já puderam um dia; algumas já esgotaram) ser compradas a pronta entrega em lojas ou sites no território nacional. Nenhuma delas foi feita pensando exclusivamente na moda lolita. Ah! E a maioria tem preços bem favoráveis. Preparados?

Sweet Lolita
Laços: Laçaroty
Cardigan: Endless
Camisa: Posthaus
Saia: Antix
Bolsa: Petite Jolie
Sapatos: ZPZ Shoes
Ok, admito que Sweet não é meu forte, mas realmente queria montar algo com esse sapato e bolsa! ZPZ Shoes é um achado, cheia de calçados engraçadinhos. A Antix sempre foi queridinha das fofas e românticas, e de vez em quando lança peças em comprimento midi que podem comportar algum poof.

Classic Lolita
Tiara: Pri Schiavinato
Camisa: Forever21
Saia: Cuplover
Bolsa: WJ Acessórios
Sapatos: Ana Mello
Não conhecia a Cuplover, mas tem umas peças muito gracinha! A maioria que encontrei é nesse tecido acetinado que é meio raro em lolita, mas quando bem usado fica muito elegante. Procurei combinar com peças simples, mas com toques especiais: o dourado nos sapatos, o relevo na bolsa... Esse é um look que acho que merecia alguma peça mais tipicamente lolita, como está pode tanto ser quanto não ser.



Gothic Lolita
Brincos: Fabiana Haverroth
Blazer: Renner
Camisa: Forever21
Saia: Vudu
Bolsa: Oscar Calçados
Meia-calça: Trifil
Sapatos: Melissa
Saias volumosas e cheias de babados e rendas, como é o comum em lolita, são muito difíceis de se encontrar por aí. Lojas retrô/rockabilly como a Vudu já resolvem metade do problema com suas saias godet, que com certeza acomodam uma anágua (além de ter o comprimento "correto"). O charme fica por conta dos acessórios, que trazem o gótico para o conjunto simples. E vou te falar, a Melissa é realmente uma dádiva nacional para as alternativas <3


Ufa! Não foi tão fácil achar essas peças - e pode ser mais difícil ainda encontrá-las pessoalmente. Mas fica aqui a dica de por onde começar a procurar. Com o tempo se pega a prática e já se sabe só de bater o olho se uma peça funciona ou não para o estilo pretendido. Peças de roupa que parecem não ter nada a ver podem acabar se revelando verdadeiras jóias quando inseridas num bom styling.

Pra se ficar de olho:
- Lojinhas com temática retrô como a Vudu e a ZPZ Shoes
- Românticas tipo a Antix e a Cuplover
- Lojas aleatórias da sua região! Nunca se sabe o que elas podem esconder~

Espero que tenham gostado, talvez se inspirado um pouco. Gosto muito de off-brand em lolita porque as peças podem ser usadas em milhares de outros estilos, algo que nem sempre é verdade com peças feitas para serem lolita.

E vocês? Conhecem alguma outra loja tipo "diamante bruto" que não foi mencionada?

Obrigada por ler e até a próxima!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Tanabata: O Festival das Estrelas

julho 18, 2016
Olá!

É o terceiro ano em que vou ao Tanabata Matsuri. Acho que já virou uma tradição! Desta vez as decorações eram temáticas das Olimpíadas, ficou bem bonito já que os mascotes são uma gracinha. Minha parte preferida do festival em si são os enfeites, adoro vê-los balançando ao vento.

Não lembro de ter visto nos outros anos, mas além do palco principal com apresentações tinha um montão de gente usando roupas tradicionais para o desfile, de jovens a dezenas de senhorinhas muito animadas!


Amei esse chapéu de palha ok

Quando cheguei estava chuviscando (como todo ano!), o que destrói um pouco os enfeites de papel, mas até que passou rápido. Eu até acho agradável tomar um pouquinho de chuva. Fui me abrigar na Ikesaki, aproveitei e comprei umas coisinhas ;)

Fui com uns amigos para uma sessão de karaokê no Kampai. Nunca tinha ido nesse, mas gostei bastante! Só senti falta da maquininha portátil para selecionar músicas, que é super prática, e fiquei meio constrangida com a porta do box ser de vidro transparente, parece que tá todo mundo te observando cantar haha

Boa sorte pra todo mundo! <3

Depois fomos comprar amuletos da sorte e tanzakus, aqueles papeizinhos coloridos onde escrevemos os pedidos para depois pendurar nos galhos de bambu. Esse ano escolhi um laranja, representando a felicidade. Segundo minha amiga, o ideal para os pedidos de Tanabata é que o desenho seja dependente 50% de você, 50% do universo. Nem algo que daria pra fazer sozinha, nem algo sobre o qual não se tenha controle algum. É um "trabalho em conjunto"!

Tinha uns enfeites de bichinhos e até da Hello Kitty!

Pra fechar, fomos para mais uma rodada de comidinhas - não é festival sem barracas de tudo quanto é coisa. A galera geralmente se esbalda no gyoza e no nikuman. Não gostei muito do bolo de milho, mas o espeto com bolinhos de camarão e o imagawayaki estavam bem gostosos. Adoro anko~

Nom nom nom

Enfim, foi muito legal como sempre. Pra quem tiver a oportunidade, vale a pena frequentar o festival: é muito bonito, tem uma história interessante e várias coisas diferentes para experimentar e tirar fotos.

Quem foi? Qual a sua comida de festival preferida? :D

Até a próxima!



segunda-feira, 11 de julho de 2016

Sambomaster no Anime Friends

julho 11, 2016
Olá!

Dia 8 começou o famoso Anime Friends. Da última vez que fui no evento, em 2013, não fiquei impressionada o suficiente para voltar. Mas quando fiquei sabendo que o Sambomaster ia fazer um show no sábado, aí sim fiquei animada!


A banda Sambomaster ficou conhecida no Brasil depois de fazer parte das trilhas sonoras de Bleach, Naruto e Densha Otoko. O primeiro show da banda fora do Japão foi ano passado no Ressaca Friends. Infelizmente não fiquei sabendo na época, ou teria ido! Por sorte, esse ano eles voltaram.

O show começaria às 20h, então chegamos por volta das 17:30h para poder aproveitar um pouco do evento sem cansar antes da apresentação. Foi bom porque o lugar já estava bem vazio, sem filas ou multidões, tempo fresquinho... O único ponto negativo é que a maioria dos cosplayers já tinham se trocado ou ido embora, e no escuro ficou difícil fotografar os poucos que restaram.

Selfie antes de sair de casa

Como sempre, tive vontade de participar do Animekê livre mas fiquei com vergonha e deixei pra lá. Acho que sempre vou preferir a privacidade de um karaoke box! No mais, ficamos passeando pelas barracas, comemos um pastel gostoso, porém caro, e deu pra ver também o Especial Dragon Ball, que foi super legal e uma surpresa pra mim - foquei tanto no Sambomaster que nem reparei nas outras atrações haha.

video
Quem não curte um Cha-la! Head cha-la!?

Finalmente chegou a hora do evento principal (pelo menos pra mim). O que me encanta no Sambomaster, apesar da simplicidade técnica das músicas, é a energia positiva que eles passam. E é MUITA energia! Realmente sinto como se eles estivesses extravazando seus sentimentos.

video
Um pouquinho do Sambô!

As letras das músicas sempre trazem histórias bem-humoradas e mensagens do tipo "nunca desista!" É um estilo divertido e até engraçado, que sempre me faz sorrir. Lembro que na época do vestibular eu sempre ouvia Sambomaster para relaxar - parece que tudo vai dar certo no final!

Mesmo ainda me recuperando de uma gripe, pude curtir muito o show e fiquei feliz pela oportunidade de ter ido!


Fiz até uma fanartzinha pra homenagear a banda :')

Sobre o Anime Friends em si, a dica que eu dou é ir num dia que tenha atrações ou shows de seu interesse, porque nesse caso o ingresso de R$60 compensa. No mais, os itens que estão à venda são os mesmos que se encontra na Liberdade e lojas de nerdice em geral. Acredito que existam outros eventos mais em conta se a intenção for ver os cosplays e interagir com outros fãs.

Quem foi ou ainda vai? Quais as suas atrações preferidas?

Obrigada por ler e até a próxima!


terça-feira, 5 de julho de 2016

Peco-kei, menhera, uchuu-kei... o que são?

julho 05, 2016
Ois!

Outro dia eu estava tranquilamente surfando pela internet quando me deparei com uma foto de "look do dia" com a tag uchuu-kei.

Fiquei olhando para o monitor com cara de tacho e um enorme ponto de interrogação em tons pastel surgiu sobre a minha cabeça. Pra mim, aquele look poderia facilmente ser descrito como fairy-kei ou aomoji ou algum desses outros estilos populares.
O mesmo eu poderia dizer de outros estilos elusivos surgidos recentemente, como menhera e peco-kei. E a partir daí comecei a pensar sobre como vários desses estilos quase não têm diferença entre si. Então pra você que ficou perdidinha que nem eu, vamos lá:

Antes de qualquer um desses, havia decora. Me lembro de quando lolita ainda era old-school e gyaru e decora eram estilos bem populares. Decora vem de decoration e basicamente consistia em looks cobertos por acessórios da cabeça aos pés: milhares de presilhas na franja, muitos colares, muitas pulseiras, muitas cores.

Decora ainda existe! Foto do vídeo do Tokyo Fashion

aomoji é um termo bem amplo: literalmente quer dizer "caracteres azuis", em oposição aos caracteres vermelhos nos títulos das revistas de moda mais tradicional. Ou seja, é um estilo que procura se opor às regras e convenções da moda, deixando cada um vestir o que quiser. Isso muitas vezes resulta em combinações excêntricas, que são o ponto mais marcante do estilo aomoji. Mas, como estilo sem regras, aomoji é praticamente impossível de definir. Alguns looks simplesmente tem "cara de aomoji", outros não. Pra mim, vários desses próximos estilos poderiam ser classificados como sub-estilos dentro de aomoji.

Kyary Pamyu Pamyu, musa do aomoji, e Janz no shoot inspirado que fizemos ano passado <3

Pelas minhas pesquisas, fairy-kei, pop-kei e spank! são a mesma coisa. Spank! na verdade é o nome de uma marca de roupas, e a própria dona da marca, Tavuchi, demonstra certa surpresa com o fato de algumas pessoas chamarem o estilo assim. É um estilo inspirado na cultura pop dos anos 80 até início dos anos 90, com muito uso de cores pastel. Noto que as pessoas tendem a associar o nome fairy-kei com os looks mais esvoaçantes e em cores claras, e pop-kei ou aomoji com os looks mais coloridos.

Tavuchi e Choco! Foto do JapaneseStreets

O nome menhera vem de mental health (saúde mental), e eu diria que faz parte da onda creepy-cute (onde se enquadra também o pastel goth - recomendo esse texto do Moda de Subculturas). É basicamente fairy-kei com elementos médicos ou hospitalares: curativos, pílulas e comprimidos, tapa-olho, byojaku (aquela maquiagem de doentinha), seringas, machucados falsos... como uma versão guro, mas não sangrenta. A meu ver, é mais uma temática sobre um estilo já existente, até porque alguns desses elementos já estavam presentes em outros estilos - por exemplo os curativos coloridos em decora.

Mei modelando para a marca Omocat, achei bem no espírito menhera!

Por falar em byojaku, existe também o Peco-kei. Quem é Peco? Aparentemente a nova musa de Harajuku. A fama dela ainda não se espalhou tanto pelo mundo, mas no Japão há uma certa Pecomania. Ela tem marca própria, a Peco Club, e seu estilo é mais para os anos 90, inspirado em As Patricinhas de Beverly Hills. Ela e o boy Ryucheru (muso do genderless-kei, basicamente androginia kawaii) parecem Barbie e Ken das antigas. Outro ponto importante é que por baixo de toda a fofura, Peco demonstra um pouco de atitude durona: às vezes as roupas têm spikes, palavrões ou frases feministas, o que não acontece na maioria dos estilos kawaii.

Saca só essa franja repartida no meio. Mais 90's não há.

Por fim, chegamos ao uchuu-kei. Uchuu é literalmente espaço sideral, e esse é o tema dos looks. Visualmente, também se enquadraria em fairy-kei/pop-kei ou aomoji, mas com ênfase nos metalizados, holográficos, estampas de estrelas, galáxias e alienígenas, ou o que os anos 80 achavam que o futuro traria. Acredito que esse seja também apenas um tema dentro de estilos maiores, mas como é bem novo, ainda não vi muitas pessoas explicando nem usando na prática, pode ser que o uchuu-kei ainda evolua. 

Estampas siderais e plástico à beça.

Enquanto escrevia o artigo, também me deparei com outros estilos/sub-estilos/temas similares que não são grandes ainda, mas quem sabe...

Mahou-kei: fairy-kei/tudo o que aprendemos hoje com temática de magical girl. Imagine Sailor Moon em tons pastel.

Party-kei: termo criado por uma moça canadense. Fairy-kei com tema festa de aniversário.

Será que esqueci de algum importante? Se souber mais sobre esses ou outros estilos similares, conta pra mim também! :D

Espero que tenha ajudado a desmistificar um pouco esses estilos. Parece que sempre estão surgindo estilos novos, mas muitas vezes eles são evoluções ou interpretações diferentes de velhos conhecidos.
Ah, e eu fiquei curiosa para saber o que vocês preferem: ter todos os estilos bem categorizados com características específicas ou classificações mais vagas e flexíveis?

É interessante que tanto os estilos japoneses quanto os ocidentais estejam convergindo para esse revival das décadas de 80 e 90. Talvez seja graças à internet e globalização, ou porque os fashionistas na faixa dos 20 anos estão se sentindo nostálgicos.

Pra finalizar, deixo esse videoclipe bem gracinha pra se inspirar, com styling da estilosa Elleanor:


Até a próxima!


terça-feira, 28 de junho de 2016

Animação

junho 28, 2016
Olá!

Sempre gostei de assistir a desenhos animados, fossem cartoons ou animes, mas no último ano passei a me interessar mais por como eles são feitos. Adoro aprender coisas novas por mim mesma, então resolvi que queria aprender animação 2D!

Fiona e Cake de Hora de Aventura

Como sempre, minha maior professora até agora tem sido a internet. Claro que existem vários cursos e livros interessantes sobre o tema, inclusive estou considerando comprar o mais famoso, "The Animator's Survival Kit", mas sabe como é... nada melhor do que quebrar os estereótipos de que na internet só tem porcaria (leia-se: a grana é curta haha).


  


Todo mundo começa com o famigerado exercício da bolinha 

Para quem também se interessa, hoje vim compartilhar alguns dos recursos online totalmente gratuitos que vêm me ajudando a aprender sobre a arte da animação. São em inglês, mas em geral têm muitas imagens que facilitam o entendimento.

E pra quem não se interessa, incluí um monte de gifs das minhas tentativas~ :D

Minha primeira animação andando

Conhecer os 12 princípios básicos da animação é um dos primeiros passos, eu acho. Sobre essa fundação é contruído todo o resto. A lista original foi criada por Ollie Johnston e Frank Thomas no livro The Illusion of Life. Acho que os vídeos desse canal no YouTube explicam bem os conceitos!

Super lista contendo 51 sugestões de exercícios para treinar sua animação, divididos por nível de dificuldade. Pra mim foram (e continuam sendo) muito úteis. Animação é uma daquelas coisas que não dá pra ficar só na teoria: tem que testar na prática tudo o que aprendeu, e durante esses testes se aprende mais e mais. A maioria dos gifs desse post saíram de exercícios dessa lista.

Minha tentativa dos exercícios 13-Salto e 14-Levantando de um assento. Referências de vídeos ou até de você mesmo são muito importantes! 



Essa playlist no YouTube tem tutoriais bem práticos e úteis sobre diversos aspectos dentro da animação, como composição, design de personagens, etc. Engloba todo o processo de se produzir um curta, não apenas o desenho dos frames em si.

Vlogs do RubberOnion
São vlogs de um animador que decidiu fazer um curta de animação inteiro sozinho. É muito interessante por ser muito real: ele lida com bloqueio criativo, mudanças de planos, coisas da vida que acontecem e às vezes impedem projetos pessoais assim de seguirem em frente - e pra mim isso é estranhamente inspirador. De qualquer forma, o RubberOnion mostra várias etapas de seu processo de animação e até coisas como criar seus próprios efeitos sonoros e dublagem.

Virando a cabeça: sem emoção e com emoção

Pra quem já está um pouco mais avançado, o 11 Second Club é uma oportunidade para treinar mais. Todo mês eles disponibilizam um áudio de 11 segundos com algumas falar tiradas de um filme ou seriado. Para participar do concurso, "basta" enviar sua animação com personagens encenando aquelas falas! O prêmio é só satisfação pessoal, eu acho, mas o importante mesmo é ir postando nos fóruns para receber um feedback dos coleguinhas. Nunca participei até o fim, mas pretendo!

Além dos tutoriais de animação em si, acho que também vale a pena estudar outros assuntos relacionados: desenho, arte digital (se for o caso, eu prefiro animação "tradigital" a flash), composição, cinema (se a intenção for animar um curta, por exemplo)... Então aqui vão as minhas sugestões:

Para arte digital. Gosto principalmente dos vídeos mais antigos, com críticas de desenhos e tutoriais. Há também um fórum de mesmo nome.

Vídeos com várias dicas e tutoriais sobre desenho e arte digital, e a voz do moço é tão boa de ouvir haha.

Vídeos bem-humorados analisando curtas indie e dando dicas ótimas sobre como filmar (ou animar, né não) seu próprio curta-metragem.

Canal de análise de filmes. Fala sobre a cinematografia, o estilo dos diretores, o que funciona ou não... é muito edificante!

video
Esse tem som :'D


Outra coisa que me ajuda é assitir animações diversas, prestar atenção de verdade em como são feitas, o que eu acho de bom ou ruim, o que me inspira... Estudar é um processo constante! Espero melhorar cada vez mais para um dia poder animar meu próprio curta.

Conforme eu for evoluindo, talvez poste meu progresso nesse ramo. E se vocês se interessarem, posso falar mais sobre não só anime de vez em quando como já vinha fazendo, mas também sobre cartoons e tal.

Espero que tenham gostado, e até a próxima! :D





terça-feira, 21 de junho de 2016

Mudando o visual

junho 21, 2016
Olá!

Notaram algo de diferente no blog?

Achei que o tema antigo estava muito poluído visualmente e precisava de uma atualização. Apesar de algumas dificuldades que tive para tentar deixar o layout como queria, fiquei bem satisfeita com a versão atual. Bem mais moderna e versátil, não?

Também estou testando um sistema mais simplificado de tags. Infelizmente não posso mudar as tags de todos os posts antigos, mas espero que daqui pra frente tudo fique mais organizadinho.

A mudança foi em parte porque quero expandir a variedade de assuntos abordados aqui no blog, sem ficar presa somente ao street style japonês/Moda Lolita, que até então eram (mais ou menos) o foco.

O outro motivo é que eu fiz algumas mudanças no meu próprio visual, então estava a fim de mudar tudo de uma vez! haha

Se não fosse isso, a arte do banner seria essa mais antiga

Cansei do cabelo meio mullet que tinha antes, e quis cortar todo chanel com franja. Franja reta é uma coisa que nunca deu muito certo comigo, por ter o cabelo ondulado-cacheado, mas quis arriscar mesmo assim. Ficou melhor do que pensei, mas pior do que gostaria. Considerei até fazer alisamento permanente só na franja, mesmo com medinho de estragar tudo por ter o cabelo ~virgem~ e fios muito finos.

Logo que cortei e um mês depois

Só que como meu cabelo cresceu muito rápido (cortei o comprimento na altura do queixo, 2 meses depois já batia no ombro) e a franja estava incomodando, resolvi arriscar mais ainda e cortá-la em casa mesmo do jeito que eu realmente queria: bem curta, acima das sobrancelhas. E não é que deu certo? O segredo pra mim foi puxar mais cabelo para a franja, deixando ela mais grossa. Assim fica mais pesada e não ondula tanto, além de cobrir mais os espaços deixados pelo redemoinho. Amei!

Ainda assim, o resto do cabelo estava muito comprido, então fui ao cabeleireiro de qualquer forma. Quase não precisou acertar a franja, e agora meu cabelo está curtinho, fofinho e volumoso do jeito que eu gosto.

Agora todo mundo sabe qual é o meu "lado bom" haha

Talvez as mudanças pareçam pequenas pros outros, mas pra mim é importante estar feliz com meu cabelo. Não sou muito de ter dó de cortar, desde que ele fique com o formato que eu gosto.

E foi daí que surgiram a foto nova na seção "sobre" e a arte no banner~

Quase igual mas é diferente tá

Depois de tantas selfies, acho que até eu enjoei de ver meu próprio rosto lol me desculpem~

E aí, o que acharam do layout novo?
Me avisem se sentirem falta de algo :)

Até a próxima!

sexta-feira, 17 de junho de 2016

Viagem a Londres

junho 17, 2016
Olá! :D

Não acredito que o último post foi há quase 6 meses! 2016 tem passado muito rápido pra mim.
Achei que era hora de voltar a postar aqui - antes tarde to que nunca.

Tower Bridge à noite!

Muitas coisas aconteceram nesse meio tempo, entre elas a principal provavelmente foi minha viagem.

Desde pequena, eu sempre sonhei em viajar a Londres. Esse ano finalmente pude ir, graças ao apoio dos meus pais! <3
Sei que pra algumas pessoas é comum sair do país todo ano e tal, mas pra mim foi bem especial, tá haha

Restaurante Feng Shang Princess e estátuas em frente ao Palácio de Buckingham


Fiz um orçamento em planilha do Excel, entrei em contato com uma agência de intercâmbios local, e em janeiro fiz minha malinha e fui so-zi-nha passar 2 meses lá.

Optei por morar com uma host family, tudo providenciado pela escola de inglês (no caso The Burlington School of English, que escolhi principalmente pela relativa proximidade ao centro da cidade). Eles foram maravilhosos! A host mom era de Barbados e o dad da Jamaica, mas ambos moravam na Inglaterra há décadas e além de gentis, eram muito dispostos a dar dicas e ajudar a praticar o inglês. Eu também tinha dois irmãos mais velhos, um da Coréia do Sul e outro do Gabão, muito fofos <3

National Gallery vista da Trafalgar Square, lotada no Ano Novo Chinês!

Casinhas fofas em Notting Hill


Dentro do British Museum

Logo que cheguei na escola fiz teste escrito e oral para saber o nível de inglês e em qual classe eu ficaria. Fui piorzinha no teste oral (estava bem nervosa, sou dessas) e me colocaram no Advanced, mas logo depois troquei para o Proficiency. As duas professoras foram ótimas, a do Proficiency era a senhora mais britânica e fofinha que eu já vi! 


Regent's Park


Lindo o prédio do Museu de História Natural! Por dentro é maravilhoso também.

London Eye, acabei não andando nele lol

Claro que outra coisa que amei foram todos os museus, prédios históricos, parques, passeios e pontos turísticos que visitei! Tem muita coisa pra fazer em Londres, atividades para todos os gostos.

Também fiz um curso curto de chapelaria na London College of Fashion, adorei aprender essa arte com mais profundidade! O acervo deles é incrível. Talvez num post futuro eu mostre os chapéus que fiz nessas aulas :)


Kyoto Garden no Holland Park


Lanterna em forma de dragão na exposição Magical Lantern e o Palácio de Westminster ao pôr-do-sol.

Tower Bridge (feat. The Shard)

Não fiquei só na capital britânica. Fiz um tour guiado de 1 dia em Cambridge e Ely. Cambridge, conhecida pela Universidade, é uma cidade muito charmosa, dos prédios antigos às bicicletas pra todo lado! Ely é uma cidadezinha bem do interior, bem tradicional - diferente de Londres, que tem gente de todo canto e é mais agitada.

Catedral gótica em Cambridge destruiu meu corassaum <3


Também aproveitei para conhecer um pouquinho da França. Fui de Eurostar para Paris, visitei o Louvre, o Museu de Orsay, subi na torre da Catedral de Notre-Dame e passei um dia encantado em Versalhes. Foram só 3 dias, mas valeu muito a visita.
Não resisti e saí rodopiando pelo Salão de Cristal me sentindo a Bela

Entrada cheia de suspense do Louvre, a gárgula simpática de Notre-Dame observando Paris

Tem mais algumas no Instagram @shirayukin ;)

Isso foi só um pouquinho de tudo que experienciei! Nem mil posts de blog poderiam contar tudo haha
Enfim, foi uma viagem inesquecível, fiquei com vontade de repetir e fazer outras aventuras.

Obrigada por ler e até a próxima~



MIDIAS SOCIAIS

Contato

shirayukin@hotmail.com
juliana.pomon@gmail.com